Tipos de CNH no Brasil – Entenda as condições de cada uma

Os tipos de carta de condução mudam de acordo com o país e sua legislação. Saiba neste artigo quais são os tipos de cartas de condução no Brasil e quais são as particularidades envolvidas.

A carta de condução nacional (“Carteira Nacional de Habilitação – CNH”) é o documento que prova que uma pessoa pode conduzir veículos automotivos terrestres no Brasil. Por esta razão, tem de ser transportado pelo condutor sempre que estiver a conduzir. A atual Carta De Condução brasileira traz a fotografia do motorista, o número de seus documentos mais importantes (como CPF e RG) e pode ser usado como um cartão de identidade.

Como emitir a sua carta de condução

Existem dois tipos principais de carta de condução no Brasil: A temporária e a definitiva. O primeiro é tomado quando o motorista não tem experiência anterior e é válido por um ano. Após este período, O motorista tem que solicitar a carta de condução definitiva.

A fim de emitir uma carta de condução, o candidato deve:

  • Ser totalmente atribuível
  • Ser capaz de ler e escrever
  • Apresentar o original e uma cópia do bilhete de identidade (Registro Geral – RG) ou bilhete de identidade equivalente (no caso de estrangeiros, o RNE)
  • Apresentar o original e uma cópia do cartão CPF
  • Apresentar uma prova de endereço (cópia e original)
  • Ter mais de 18 anos

Mais informações sobre todo o procedimento podem ser encontradas no artigo “Introdução ao Detran”.Lembrando que para retirar é preciso acessar o site do Detran referente ao seu estado. Portanto, se for residente de Brasília deverá acessar ao detrandf2020.com.br

Categoria

De acordo com Detran, no Brasil, há cinco categorias para motoristas e eles vão de A Para E. Eles estão relacionados com o tipo de veículo que o motorista pode operar e suas limitações:

  • Categoria a-veículos a motor com duas ou três rodas, com ou sem carro lateral. Exemplo: Motocicletas.
  • Categoria B-veículos a motor que não pertencem à categoria “a”. Não devem exceder oito lugares sentados, excluindo o lugar do condutor, e o peso bruto de 3,5 mil quilogramas. Exemplo: automóveis normais.
  • Categoria C-veículos a motor para transporte de carga cujo peso bruto exceda 3,5 mil quilogramas. Exemplo: caminhões.
  • Categoria D-veículos a motor para o transporte de passageiros ou estudantes, ou veículos com mais de oito lugares sentados, excluindo o lugar do condutor. Exemplo: ônibus.
  • Categoria E-esta categoria inclui todos os veículos anteriores que tenham uma parte articulada ou estejam ligados a reboques, com um peso bruto igual ou superior a 6 mil quilogramas ou com espaço para mais de oito lugares sentados. Exemplo: reboque camião.

Cada categoria tem seus próprios exames específicos. Os motoristas podem adicionar outra categoria às que já têm. Esta alteração funciona de uma forma hierárquica: para mudar de categoria B para C, é necessário esperar um ano na categoria B; para mudar de B para D, é necessário esperar dois anos na categoria B e, um ano na categoria C, de C para E é necessário esperar um ano na categoria C e de D para E não é necessário aguardar. Não é permitido mudar a categoria diretamente de B para E.

Além do tempo que o motorista é obrigado a esperar (de um a dois anos, como mencionado acima), adicionar outra categoria à que ele/ela já tem leva tempo e dinheiro. O motorista tem que fazer outro curso de 15 aulas, um teste psicológico e um exame aos olhos. Depois de fazer o curso, o condutor passa por um teste prático e, se aprovado, será concedido com uma nova categoria. O custo total do processo é, em média, de R$ 1050,00  e a duração é geralmente de dois meses, dependendo da autoescola. Veja aqui os centros autorizados. 

De acordo com Detran SP, Os estrangeiros que já possuem uma carta de condução equivalente a uma das categorias Brasileiras só podem fazer o teste prático sem ter que fazer as aulas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *